JAQUES WAGNER DIZ QUE MATÉRIA DA VEJA FOI COMPRADA E REVELA QUE RUI COSTA EMPATOU COM PAULO SOUTO




Jaques Wagner esteve no “Balanço Geral” na manhã desta segunda-feira (22) para falar da polêmica reportagem da revista Veja, afirmando que o PT baiano teria desviado cerca de R$ 50 milhões de um programa habitacional.
A denúncia foi feita pela presidente do Instituto Brasil, Dalva Sele Paiva. Entre os apontados como envolvidas no esquema estão dirigentes locais e o candidato do PT ao governo estadual, Rui Costa, que recebiam entre R$ 3 mil e R$ 5 mil reais todo mês.
Para Wagner, “isso foi matéria comprada, alguém da oposição. Quem não tinha dinheiro pra pagar condomínio, de repente pagou de uma vez só 13 mil, 14 mil reais? Com certeza foi o dinheiro que ela recebeu pra fazer essa bombástica revelação”.
Seguindo: “Pra mim não passa de matéria requentada, porque está chegando o finalzinho da Eleição e tem gente ficando desesperada”.
Wagner ainda deu explicações sobre o processo da entrada da ONG de Dalva na administração pública.
“Das pessoas que estão sendo citadas, cada um tem que responder. Um deles já respondeu (Rui Costa) e abriu processo criminal contra ela. Ela tinha esse instituto há muito tempo – foi contratada em 2005 e prestava serviço já em 2006. Conseguiu um outro contato pra fazer casas populares e na segunda prestação de contas delas, o secretário Cícero veio a mim e disse que a prestação estava inconsistente e eu mandei romper o contrato. Rompemos o contrato, não pagamos e ela não tem esse negócio desde 2010”, disparou.
Jaques Wagner ainda falou sobre outros assuntos, como uma pesquisa que será divulgada nesta segunda e mostrará Rui Costa (PT) empatado com Paulo Souto (DEM) e Otto empatado com Geddel Vieira Lima.
FONTE: Varela Notícias

Postagens mais visitadas deste blog

Tio mata sobrinho a pauladas após discussão

Polícia prende suspeita de envolvimento na morte de empresário da Telexfree

Recurso ao TJBA objetiva bloquear R$ 11 milhões do Município de Serra Preta, ativo financeiro é oriundo da União em pagamento de precatório e não consta no orçamento municipal de 2016