Feira de Santana sedia lançamento do plebiscito por constituinte exclusiva para reforma política

Organizações apontam para a luta social: um Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político Brasileiro.
Reprodução

Será realizado no dia 14 de dezembro, em Feira de Santana, o lançamento do Plebiscito Popular por uma Constituinte e Exclusiva Soberana do Sistema Político Brasileiro. O evento acontece às 19h, no Teatro Arena, no Cuca, e conta com a presença de entidades organizadas da sociedade civil, sindicatos, partidos políticos, movimentos sociais populares e entidades ligadas a igreja.
O objetivo é mobilizar toda a sociedade feirense a fim de discutir e buscar soluções que visem renovar o atual sistema político brasileiro, priorizando a construção do comitê local que agregará todas as entidades envolvidas no movimento de Feira de Santana.
A campanha nacional e o Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político foi lançada em Brasília no dia 16 de novembro, com o apoio da Central Única dos Trabalhadores e de mais de 70 entidades dos movimentos sociais de todo o país. Na ocasião foram debatidas propostas para a campanha e definida também uma secretaria operativa permanente. O plebiscito, em si, ocorrerá entre os dias 1º e 7 de setembro de 2014 e trará uma única pergunta à população: “Você é a favor de uma constituinte exclusiva e soberana sobre o sistema político?”.
A CUT e as entidades dos movimentos sociais defendem a mudança do sistema político como forma de garantir maior e melhor representação e participação da sociedade e, especialmente, da classe trabalhadora nos processos e espaços de debate e decisão de questões nacionais. Daí a importância do plebiscito, para garantir a participação popular de um espaço exclusivo para mudar o sistema político brasileiro, e não apenas alterar questões eleitorais, como tem feito o Congresso Nacional.
Na cartilha que a CUT divulgou mostra que a atual Constituição Federal, que é de 1988, apesar de apresentar avanços, foi feita com "regras herdadas da ditadura militar" e por uma Assembleia Nacional composta por deputados federais e senadores eleitos pelo poder econômico, sem a tarefa de se dedicar exclusivamente ao texto da Carta Magna.
Os movimentos sociais querem que, dessa vez, o povo decida, em plebiscito, se quer um espaço exclusivo para promover as reformas políticas que o Brasil tanto necessita. Assim, os eleitos para a Constituinte exclusiva cuidariam apenas da mudança do sistema político.

Fonte: Acorda Cidade

Postagens mais visitadas deste blog

Tio mata sobrinho a pauladas após discussão

Polícia prende suspeita de envolvimento na morte de empresário da Telexfree

Recurso ao TJBA objetiva bloquear R$ 11 milhões do Município de Serra Preta, ativo financeiro é oriundo da União em pagamento de precatório e não consta no orçamento municipal de 2016